NOTÍCIAS

Problemas para dormir crescem em SP

1 de dezembro de 2009

Estudo comparou dados de 2007, 1995 e 1987 e mostrou aumento de reclamações sobre insônia, pesadelos e ronco.

Mais de mil moradores da capital passaram por exame que avalia sono; prevalência de apneia, que leva a pausas na respiração, foi de 32,9%

Flávia Mantovani – Folha de S. PAULO
Editoria-assistente do Equilíbrio

Os moradores de São Paulo se queixam cada vez mais de problemas para dormir. É o que mostra uma pesquisa feita pelo Instituto do Sono, ligado à Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), com 1.042 pessoas entre 20 e 80 anos.

A pesquisa foi realizada em 2007 e agora seus dados estão sendo tabulados e enviados para publicação em revistas científicas. Além de aplicar questionários para colher as queixas dos entrevistados, foram realizados exames de polissonografia, a principal forma de diagnosticar distúrbios do sono.

Duas pesquisas já haviam sido feitas pela mesma instituição, em 1987 e 1995, com questionários, mas sem a realização de exames. A comparação entre os três levantamentos mostra que houve um aumento de todas as queixas.

Dificuldade para dormir e para manter o sono, ronco, bruxismo, sonambulismo e pesadelos foram alguns dos problemas relatados.

Apesar de não ser possível saber se o aumento na frequência de queixas corresponde a um crescimento na ocorrência dos distúrbios propriamente ditos -já que em 1987 e 1995 não foram feitos exames diagnósticos-, a tendência é que haja, sim, um crescimento desses problemas. “A queixa do paciente é um parâmetro relevante para determinar o diagnóstico dos distúrbios, apesar de não ser o único”, afirma o biólogo Rogério Santos Silva, autor da pesquisa. Segundo ele, o alto índice de estresse pode ajudar a explicar o aumento das queixas. “Vários desses problemas, como insônia, pesadelos e sonambulismo, têm relação com o estresse.

A pesquisa foi feita numa grande metrópole, com altos índices de violência, e as pessoas estão cada vez mais estressadas.” O excesso de peso também contribui. No levantamento, 60% da população apresentou sobrepeso ou obesidade. Ronco e apneia são mais frequentes em pessoas que estão acima do peso, como mostra a própria pesquisa: os entrevistados com sobrepeso tiveram 2,6 vezes mais chance de ter apneia do que aqueles que estavam com peso adequado. Nos obesos, o risco aumentou 10,5 vezes.

Apneia

Dos resultados obtidos, o que mais surpreendeu foi a prevalência da síndrome da apneia obstrutiva do sono: um terço da população (32,9%) tem o problema, caracterizado por pausas na respiração à noite.

Quando se considera só a ocorrência de pausas respiratórias (sem outros critérios necessários para caracterizar a síndrome, como fadiga de dia), o índice sobe para 38%. “O problema é preocupante porque a pessoa fica com o sono descontinuado e, mesmo que durma um bom número de horas, acorda cansada. Isso afeta a capacidade de se concentrar, de memorização, de raciocínio. Cai a performance no trabalho e a qualidade de vida em geral”, enumera o pneumologista e especialista em sono Maurício Bagnato, do laboratório do sono do Hospital Sírio-Libanês.

A apneia também aumenta o risco de ter doenças cardiovasculares. O trabalho feito no Instituto do Sono comprovou isso: a prevalência de hipertensão, por exemplo, foi de 55% nos indivíduos com apneia leve e de 61% naquelas com apneia moderada ou acentuada. Em pessoas sem apneia foi de 26%.

Outra descoberta da pesquisa foi que pacientes com apneia moderada ou acentuada tiveram duas vezes mais chance de ter intolerância à glicose -que pode levar ao diabetes ou o próprio diabetes tipo 2.

Apesar de muitas vezes o excesso de peso ser o responsável por isso, nesse caso a relação foi observada independentemente da obesidade, diz a pneumologista e especialista em sono Sônia Togeiro, também autora do estudo. “A relação com a hipertensão está bem documentada, mas poucos estudos mostram a ligação com o diabetes.

  • SIGA O ACHÉ:

X
  • Alert
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.