NOTÍCIAS

Médico dá dicas sobre como evitar a pressão alta em mulheres

30 de novembro de 2009

Receita envolve controle de peso, menos sal, exercícios e ácido fólico. Se todos os fatores forem controlados, risco cai cerca de 80%.

Luis Fernando Correia- Especial para o G1 -22/07/09

A hipertensão arterial, conhecida como pressão alta, é uma das doenças crônicas mais comuns na sociedade. Se não evitada ou tratada adequadamente, pode levar a complicações importantes, como infartos do coração e insuficiência renal. Uma pesquisa publicada na revista “Journal of the American Medical Association” aponta que 6 fatores comportamentais podem ser responsáveis por 78% de diminuição na aparecimento da pressão alta para mulheres.

Os dados vêm de um estudo que acompanhou por mais de 14 anos um grupo com 80 mil mulheres de 27 a 44 anos de idade. Todas as participantes eram saudáveis quando entravam no estudo, o que permitiu a identificação das doenças à medida em que apareciam. O aparecimento da hipertensão depende de fatores de risco modificáveis e outros como raça, sexo, história familiar de hipertensão e uso de contraceptivos orais.

A lista de fatores modificáveis inclui índice de massa corporal, não seguir as recomendações dietéticas para evitar a hipertensão, uso frequente de analgésicos, sedentarismo, consumo excessivo de álcool e não consumir a quantidade recomendada de ácido fólico por dia. O fator mais importante dentre esses foi o Índice de Massa Corporal. O controle do peso responde pela metade dos casos de pressão alta na sociedade. Mulheres obesas, ou seja, com IMC acima de 25, têm 48% mais chance de ter hipertensão.

Os outros fatores respondem por aumentos menores do risco. Para cada fator evitado, menor o risco de se apresentar a hipertensão. Se todos os 6 fatores puderem ser controlados, o que acontecia com cerca de 0,3% do grupo estudado, o risco pode ser diminuído em 78%. Além de controlar o peso, as mulheres que desejam evitar a pressão alta devem:

  • Evitar o uso de analgésicos frequentemente, ou seja, mais de uma vez por semana. Isso pode diminuir em 17% o risco.
  • Seguir as recomendações de uma dieta saudável para o coração, com pouco sal, e consumir muitas frutas e vegetais pode cortar em 14% o risco.
  • Fazer 30 minutos de exercícios vigorosos todos os dias pode evitar 14% dos casos de hipertensão
  • O consumo de mais de um drinque por dia é responsável por 10% do risco de pressão alta.
  • Por último as mulheres devem consumir pelo menos 400 mg de ácido fólico todos os dias e diminuir seu risco em 4%.

Apesar de difícil, quanto mais fatores de risco forem controlados, menos casos de hipertensão. O estudo mostra que esses fatores dependem de decisão pessoal mas também podem influenciados por políticas públicas.

A existência de áreas que favoreçam a prática de exercícios, legislação que controle o processamento de alimentos, como o uso de gorduras trans, por exemplo, podem ajudar. Isso aponta para uma combinação entre ações públicas e privadas. As doenças cardiovasculares consomem uma parte substancial dos recursos gastos em saúde e cortam anos de vida das pessoas. Cuide-se.

  • SIGA O ACHÉ:

X
  • Alert
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.