NOTÍCIAS

Será o hipotireoidismo o vilão do peso de ‘Ronalducho’?

26 de novembro de 2007

Talvez o jogador Ronaldo, do Milan, tenha achado o culpado pelos quilos a mais que lhe renderam os apelidos de “Gordo”, “Gordonaldo” e “Ronalduxo” na última Copa do Mundo. O médico do clube italiano, Jean Pierre Meerseman, declarou em um programa do Milan Channel – o canal de TV do time – que exames revelaram que o atacante seria portador de uma disfunção na tireóide, identificada como hipotireoidismo.

Desde a descoberta do problema e do início do tratamento – feito com uma dieta equilibrada e ingestão de comprimidos – Ronaldo teria perdido 3,5 quilos. E estaria mais animado para treinar. O hipotireoidismo reduz a produção dos hormônios pela glândula tireóide, deixando o metabolismo mais lento e podendo levar à instabilidade do peso, como no caso do craque.

“Mas só o hipotireoidismo não ocasiona uma engorda notável. A pessoa ganha, no máximo, dois, três quilos. Ele deve ter comido um pouco a mais, sim”, acredita a endocrinologista Laura Sterian Ward, membro da diretoria do departamento de tireóide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e professora da Faculdade de Medicina da Unicamp.

De acordo com a endocrinologista, os hormônios fabricados pela tireóide são “combustíveis” para o organismo. Quando a fabricação deles não está sendo suficiente, a pessoa funciona em ‘câmera lenta’. O resultado aparece em sinais como prisão de ventre, sonolência, pele seca e fria, diminuição dos batimentos cardíacos, intolerância ao frio.

A dona de casa Rosemeire Bernardo, de 45 anos, também perdia o cabelo aos tufos quando teve o problema, que não tem cura, mas pode ser mantido sob controle com medicamentos que estimulam a produção do hormônio tiroxina. “Além dos sintomas físicos, ficava deprimida e irritada”, lembra.

Segundo o endocrinologista Geraldo Medeiros, da Sociedade Latino-Americana de Tireóide, no Brasil, a principal causa do hipotireoidismo é uma inflamação da glândula, chamada Tireoidite de Hashimoto. “Esta doença, de origem auto-imune, faz com que o próprio corpo ataque a tireóide”, explica o especialista. O hipotireoidismo ataca principalmente mulheres com mais de 40 anos de idade.

O tipo mais grave de hipotireoidismo , no entanto, é o congênito, que afeta um a cada quatro mil recém-nascidos. Apesar de ter detecção garantida por lei (no teste do pezinho), muitas crianças não têm acesso ao exame. “A doença pode causar falhas graves no desenvolvimento físico e cerebral”, alerta Laura Ward. O certo é começar o tratamento logo após o diagnóstico. A doença também não tem cura mas, se o tratamento for feito corretamente – com o hormônio levotiroxina, distribuído pelo SUS – a criança pode crescer sem problemas.

  • SIGA O ACHÉ:

X
  • Alert
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.