NOTÍCIAS

Mudança de temperatura durante os dias pode causar doenças respiratórias

1 de dezembro de 2010

Apesar da grande prevalência, fácil tratamento e ser um dos principais quadros que surgem com as mudanças climáticas, rinite ainda é pouco conhecida da população.

“Não esquece a blusa!”. Essa frase, uma das mais escutadas pelos brasileiros diariamente às manhãs, explica na prática o que a ciência já provou: o Brasil é um dos poucos países do mundo a apresentar, em um mesmo dia, condições climáticas das quatro estações. Essas mudanças propiciam, além da dúvida sobre que roupa escolher ou levar o guarda-chuva nos compromissos, o contato da população com inúmeras doenças respiratórias.

A gripe e o resfriado são os mais comuns, mas um dos principais quadros que atinge os brasileiros sem que saibamos é a rinite, que acomete cerca de 30% da população. A rinite é a irritação e inflamação da mucosa nasal e pode ser viral ou bacteriana, porém se manifesta com mais frequência após alergias a pó, ácaro, umidade, fumaça e outros agentes ambientais. Essa inflamação resulta na produção excessiva de muco, que ocasiona o escorrimento nasal, sintoma mais típico da rinite. “Além de agravar alergias, as mudanças climáticas também aumentam as infecções. As chuvas repentinas, por exemplo, alteram a temperatura e trazem mais alérgenos ao ar, agravando quadros de rinite”, explica Olavo Mion, otorrinolaringologista da Academia Brasileira de Rinologia.

A umidade, muito comum em climas úmidos, é outro fator agravante da rinite, por propiciar a proliferação de ácaros e fungos. “Com as constantes alterações climáticas durante o mesmo dia, é importante estar sempre preparado para se proteger, seja de alergias, queda de temperatura ou incômodos por umidade excessiva”, explica Mion. O especialista lembra que ao perceber que o nariz entupiu, os espirros apareceram e os olhos, garganta, ouvidos e nariz começaram a coçar, a crise de rinite inevitavelmente está começando.

“Sabendo que as mudanças no clima são cada vez mais comuns, o tratamento da rinite é fundamental, seja na forma preventiva ou para alívio após início do quadro. Ambos podem ser feitos com uso de anti-histamínicos, com rápida ação antialérgica e anti-inflamatória comprovada experimentalmente, e soluções para desobstrução nasal”, afirma o otorrino. Ele acrescenta que outras drogas como os estabilizadores de membrana e os antileucotrienos podem ser utilizadas, mas são famosas por provocarem sono e ação demorada no paciente. “O mercado brasileiro já conta com remédios modernos, de fácil uso e acessíveis a toda a população”, finaliza.

Fonte:
Academia Brasileira de Rinologia

  • SIGA O ACHÉ:

X
  • Alert
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.