NOTÍCIAS

Dislexia amplia os riscos de depressão em crianças

1 de dezembro de 2011

Estudo da Unicamp revela impactos emocionais da dificuldade no aprendizado

Correio Popular – Educação – Campinas – SP – 15/08/2011 – A8

Crianças com o diagnóstico de dislexia têm mais chances de desenvolver os sintomas de depressão. É o que aponta o estudo desenvolvido pelo neuropsicólogo Ricardo Franco de Lima, apresentado no Departamento da Psicologia Médica e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Caracterizado pela disfunção no sistema nervoso central decorrente de uma falha no processamento das informações, o transtorno é identificado em 2% dos 350 pacientes atendidos todos os anos no Laboratório de Pesquisa em Dificuldades, Distúrbios de Aprendizagem e Transtorno de Atenção (Disapre).

Durante três anos, o pesquisador estudou um grupo de 61 crianças com idades entre 7 e 14 anos. “Elas foram divididas em dois grupos: 31 crianças com diagnóstico interdisciplinar de dislexia do desenvolvimento, avaliadas no Ambulatório de Neuro-Dificuldades de Aprendizagem do Hospital de Clínicas da Unicamp, e 30 crianças sem dificuldades de aprendizagem, avaliadas em uma escola pública da cidade de Campinas”, explica.

De acordo com Lima, a proposta do estudo se baseou em pesquisas internacionais que indicam que os indivíduos com dislexia ou com outros transtornos de aprendizagem são mais vulneráveis para o desenvolvimento de sintomas emocionais e de conduta. 
A partir de diferentes instrumentos neuropsicológicos e psicológicos, o pesquisador avaliou sintomas depressivos e de conduta, além de diferentes funções cognitivas, como inteligência e atenção.

“Quando comparamos os grupos estudados, os resultados nos mostraram que houve diferenças significativas entre os grupos nos diferentes instrumentos utilizados. Também foram observadas correlações entre os sintomas depressivos o desempenho atencional e executivo, isto é, quanto mais sintomas depressivos, maior o prejuízo cognitivo”, afirmou.

Sintomas
De acordo com o estudo, as crianças com dislexia apresentaram repercussões emocionais, em função das dificuldades vivenciadas na escola.

“Isso quer dizer que o transtorno de aprendizagem constitui uma condição de risco. Por outro lado, crianças que possuem condições adequadas em seus contextos familiar, social e escolar são menos propensas a essas repercussões emocionais. Dessa maneira, uma somatória de fatores desencadeiam sintomas emocionais e de conduta que podem levar ao desenvolvimento de um transtorno psicológico, como a depressão”, ressalta Lima.

Entre os sintomas depressivos observados nas crianças com dislexia estavam sentimentos de culpa e preocupação, dificuldades para dormir, fadiga constante, problemas nas relações interpessoais, comparação de seu desempenho com o dos colegas, além do humor deprimido e sensação de inferioridade.

Lima esclarece que alguns fatores podem determinar maiores condições de sofrimento para as crianças com o transtorno, como a severidade da dislexia, sua associação com outras dificuldades, o diagnóstico tardio, situações repetidas de exclusão escolar e baixas condições de suporte para suas dificuldades.

Drama 
Questionada a respeito de sua dificuldade, o estudante do 4° ano do Ensino Fundamental, M.B.F, de 10 anos, diz: “É ruim. Meus colegas escrevem os textos todos certos e eu escrevo tudo errado. Sinto-me menos inteligente do que eles”. K.G.S, de 12 anos, também demonstra tristeza quando fala dos problemas que enfrenta na sala de aula e com os colegas. “Tiram sarro de mim. Dizem que vou repetir de ano. Fico com raiva e conto para professora. Quando estão me irritando, eu bato neles”, diz.

O pesquisador ressalta que nem todos os indivíduos com dislexia desenvolverão algum transtorno psicológico secundário. “Apenas consideramos que esta condição é de risco e de vulnerabilidade, uma vez que o disléxico passa por mais situações de fracasso escolar.”

Parte do estudo de Lima será publicado no livro Dyslexia and Mental Health: investigations from differing perspectives, organizado pelo pesquisador inglês, que possui dislexia, Neil Alexander-Passe.

Ajuda especializada minimiza o problema

Por se tratar de um transtorno, não há tratamento para a dislexia, mas uma intervenção, com ajuda de especialistas, deve ser feita o mais rápido possível para que os resultados sejam melhores. “É preciso que os pais e educadores estejam atentos para as consequências emocionais do distúrbio na criança e ofereçam melhores condições de suporte e manejo das dificuldades que ela vivencia na escola”, afirma o neuropsicólogo Ricardo Franco de Lima, que apresentou o estudo na Unicamp. A principal intervenção é fonoaudiológica, uma vez que se trata de uma dificuldade relacionada à linguagem. São utilizados programas de remediação fonológica que visam minimizar os déficits apresentados pela criança e potencializar suas habilidades de modo que ela possa construir novas estratégias para a realização da leitura e escrita. Campinas conta com dois centros para diagnóstico do problema e intervenção especializada. São eles o Ambulatório de Neuro-Dificuldades de Aprendizagem do Hospital de Clínicas da Unicamp, coordenado pela professora Sylvia Maria Ciasca e o Centro de Investigação da Atenção e Aprendizagem (CIAPRE), coordenado por Cíntia Alves Salgado-Azoni. Na Capital paulista ainda há a Associação Brasileira de Dislexia (ABD).

O especialista alerta que, em outras regiões, é importante a procura por profissionais que sejam capacitados para o diagnóstico e também para fazer a intervenção necessária. “Devem ser profissionais das áreas de fonoaudiologia, psicologia, neuropsicologia e psicopedagogia. Além disso, as intervenções devem buscar ações que articulem não só o desenvolvimento da criança, mas também orientações para os pais e estratégias de manejo escolar”, explica Lima. (IM/AAN)

  • SIGA O ACHÉ NAS REDES SOCIAIS:

X
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.