NOTÍCIAS

Ai, meu estômago!

30 de novembro de 2009

Descubra o que ataca o órgão e o que você pode fazer para evitar as dores.

Revista Viva Mais – Bem-Estar – 05/06/2009

Conheça os vilões

As três doenças abaixo são as principais causadoras de problemas no estômago.

Dispepsia ou indigestão

O que é: popularmente conhecida como gastrite nervosa, ocorre por um mau funcionamento no estômago. As causas podem ser má alimentação, ingestão de alimentos que não foram bem mastigados, refeições apressadas e sensibilidade a algum tipo de comida. Situações de estresse também podem desencadear a dispepsia.

Sintomas: queimação, dor contínua na boca do estômago, gases, náuseas, sensação de estufamento e de saciedade com pouca comida.

Tratamento: varia de acordo com os sintomas. Consulte um médico para encontrar a causa principal da doença.

Prevenção: comer na hora certa, mastigar bem os alimentos, fazer atividades físicas, evitar fritura, gordura e condimentos. Relaxar e não ficar tão nervosa também ajuda.

Gastrite

O que é: inflamação do estômago decorrente principalmente de remédios que agridem o órgão, como aspirinas e anti-inflamatórios. Também pode ser causada pela ação da bactéria Helicobacter pylori, presente em 50% da população mundial. Neste caso, no entanto, a inflamação não traz sintomas, só é percebida em exames.

Sintomas: quando os remédios dão origem à doença, há dor no estômago, queimação e, às vezes, hemorragia. 
Tratamento: com remédios prescritos por um médico. 

Prevenção: evite anti-inflamatórios ou vá ao consultório para saber como proteger o estômago dessas agressões.

Úlceras

O que é: lesão na parede do estômago provocada pela mesma bactéria da gastrite, a Helicobacter pylori. “Dos 50% que a abrigam, 10% terá úlcera e 1%, câncer de estômago. Vale lembrar que o câncer é uma combinação de fatores, entre eles a bactéria e o histórico familiar”, diz Jaime Eisig, presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia. 

Sintomas: iguais aos da dispepsia.
Tratamento: os medicamentos prescritos têm a finalidade de cicatrizar a ferida e matar a bactéria.

Prevenção: por ser resultado de alteração genética ou da ação da bactéria, não há como evitar. Segundo o doutor Jaime Eisig, a úlcera não tem relação com má alimentação nem com o estresse.

Sem queimação

Hábitos diários aliviam sintomas e ajudam a dar fim ao problema:

  • Não fume: o cigarro aumenta a quantidade de ácido no estômago, prejudica a cicatrização de feridas e aumenta o risco de câncer.
  • Modere no café: por ser um irritante gástrico, agrava os sintomas da gastrite.
  • Sem sal: comida salgada ou condimentada aumenta o risco de câncer, principalmente em pessoas com histórico na família.
  • Chega de álcool: a bebida também é um irritante gástrico e intensifica as dores estomacais. 
  • Coma frutas: vitaminas A, C e E são antioxidantes e protegem o estômago contra o câncer.

Você sabia?

  • Acredite: não é o estômago que ronca! O barulho vem dos movimentos que o intestino faz para empurrar o alimento ou quando espera comida. “Se o corpo sente fome, o estômago produz suco gástrico. Esse líquido vai para o intestino e o estimula a se movimentar”, diz Ricardo Barbuti, gastroenterologista.
  • Leite não é bom para gastrite. De início, ele melhora sintomas, mas as dores pioram muito depois. 
  • Você pode tomar antiácido quando sentir queimação, mas vá ao médico se a dor for frequente. “Azia de vez em quando é natural por causa da alimentação ou do nervosismo, mas o antiácido pode mascarar uma doença grave”, explica o médico Jaime Eisig.
  • As mulheres sofrem mais com a gastrite nervosa do que os homens.

Refluxo gástrico

O que é: muita gente pensa que é uma doença estomacal, mas trata-se de um problema do esôfago, que fica logo acima. O estômago produz um ácido que pode subir quando há problema na válvula que liga os dois órgãos. Isso traz a sensação de queimação.

Como resolver: os sintomas mais comuns são azia, queimação e regurgitação. Não tem cura, mas é possível amenizar: não se deite após comer, evite refeições grandes com alimentos gordurosos, chocolate, hortelã e bebidas.

  • SIGA O ACHÉ:

X
  • Alert
  • ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

O Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A se preocupa com a sua privacidade e quer que você esteja familiarizado com a forma como coletamos, utilizamos e divulgamos suas informações.

COLETA DE INFORMAÇÕES:

Alguns dados pessoais podem ser solicitados para que você se beneficie de nossos serviços ou programas. Sempre que obrigatório por Lei, seu consentimento será solicitado. Você também poderá exercer seus direitos em relação a seus dados por meio do nosso Canal de Comunicação.

SEGURANÇA:

Empregamos os melhores esforços para respeitar e proteger seus dados pessoais contra perda, roubo, vazamento ou qualquer modalidade de uso indevido, bem como contra acesso não autorizado, divulgação, alteração e destruição.

CANAL DE COMUNICAÇÃO:

Para assuntos exclusivamente relacionados à privacidade de dados, clique aqui.

Para outros assuntos, clique aqui.

Política de privacidade, clique aqui.