Ousando ir mais longe

Capital Natural

O Aché implementa ações para maior eficiência e menor impacto ambiental.

A gestão ambiental do Aché é conduzida com base em reconhecidas normas internacionais, principalmente ISO 14001 e OHSAS 18001, que estabelecem diretrizes e indicadores para o controle e segurança de pessoas e processos e a eficiência na gestão dos impactos ambientais e no uso dos recursos naturais. Em 2016, conquistamos novamente a renovação dessas certificações, com a realização de auditoria em nosso Sistema de Gestão Integrada (SGI) de Saúde e Segurança do Trabalho (OHSAS 18001) e Meio Ambiente (ISO 14001).

As ações para nos tornarmos mais eficientes foram intensificadas em 2016, com iniciativas que proporcionaram ganhos relevantes em eficiência energética, excelência operacional, redução de consumo de água e aumento da reciclagem, gerando menos resíduos.

Logística reversa

Asseguramos 100% do recolhimento e descarte responsável de nossos produtos acabados, que são devolvidos pelos clientes. Para isso, utilizamos uma malha nacional de logística reversa, em parceria com nossos transportadores homologados.

Em relação à rastreabilidade, implantamos o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos, contemplando 50% das nossas linhas de produção. Investimos cerca de R$ 25 milhões em equipamentos para atender à regulamentação da Anvisa.

O Aché iniciou o projeto de Ecoeficiência Ambiental, que visa construir uma matriz ao longo da cadeia de suprimentos.

Gestão dos recursos

Adotamos diretrizes para o uso de recursos naturais e o descarte adequado dos resíduos industriais.

O Aché tem um sistema de gestão ambiental integrado, incorporado aos processos industriais. Por meio de ferramenta de gestão, é possível diagnosticar o uso, o risco associado e os impactos significativos, permitindo o monitoramento, o controle e a implementação de ações mitigadoras na geração e no descarte final de resíduos. Como ferramenta de gestão, destacamos o Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais (LAIA). Toda a legislação referente à operação é acompanhada, atualizada e monitorada mensalmente.

Contamos também com uma política referente ao uso de recursos naturais e ao descarte apropriado dos resíduos industriais.

Os colaboradores são treinados e motivados na busca constante das melhores práticas ambientais. Realizamos, ainda, auditorias internas do sistema de gestão ambiental e auditorias independentes, conduzidas por um órgão certificador externo. Em 2016, implementamos o Programa de Excelência Operacional (PEO), que visa mensurar, avaliar e otimizar os processos industriais e da qualidade, na busca de soluções mais eficientes.

Resíduos, efluentes e reciclagem

Orientamos o consumidor a fazer o descarte correto do medicamento.

A geração de resíduos na companhia é decorrente dos processos industriais, nos testes e perdas de processo de produção. O impacto negativo está relacionado à quantidade gerada e aos altos custos na descaracterização e no descarte final dos resíduos, que podem ser reciclados, reutilizados ou incinerados. Os efluentes são tratados e devolvidos ao corpo hídrico, conforme parâmetros estabelecidos nas leis ambientais.

A área de Segurança do Trabalho, Saúde e Meio Ambiente (Sesma) é responsável pela gestão da coleta seletiva interna, disponível em diversos locais das plantas Guarulhos e Nações Unidas, e pela destinação dos resíduos.

Do ponto de vista de recuperação de embalagens, a empresa tem um processo sistematizado de gestão de resíduos em suas plantas fabris, efetuando a coleta seletiva. O tratamento de resíduos de embalagens (papelão, blisters, sacarias, exceto hormonal, psicotrópicos, antibióticos e oncológicos) é realizado pelo método de coprocessamento, diminuindo o volume de materiais incinerados.

Resultados das iniciativas

Cerca de 7,8 mil árvores
deixaram de ser cortadas.

+ de 1,6 mil litros de óleo
foram reutilizados, transformados em sabão líquido, sabão em pedra e água sanitária.

110 toneladas
de bauxita economizadas.

60 toneladas
não foram para o aterro sanitário.

As bulas dos medicamentos e o site Aché são os principais canais para orientar o consumidor a fazer o descarte correto do medicamento. GRI G4-EN28

Outro projeto desenvolvido na companhia, em parceria com os colaboradores, é a reciclagem do óleo de cozinha, usado como matéria-prima de compostagem. Segregamos os materiais possíveis de reciclagem na produção, reduzindo a incineração. O resultado em dois anos foi a queda de mais de 25% na geração de resíduos, e alcançamos 85% de reciclagem.

Os materiais descartáveis provenientes da produção, produtos farmacêuticos fora da especificação, materiais provenientes de laboratório – como reagentes – são destinados à incineração. Em 2016, foram encaminhadas 166,75 toneladas de resíduos para a reutilização, abaixo do ano anterior (201,1 toneladas) e 88,94 toneladas foram incineradas, uma queda expressiva em relação a 2015 (209 toneladas). Essa redução ocorreu porque conseguimos reverter parte dos resíduos gerados, que eram destinados a incineração, para o coprocessamento, utilizados para o reaproveitamento energético em outros processos. O volume total de resíduos gerados em 2016 foi de 255,65 toneladas, uma retração de 37,7% em comparação a 2015 (410 toneladas). GRI G4-EN23

Cordia verbenacea: matéria-prima do produto Acheflan.

260 mil kWh/mês
de economia de energia em Guarulhos.

2 mil m3
de água foram economizados, por meio da captação da condensação do sistema de ar condicionado.

Energia e água

O Aché passou a comprar energia no mercado livre de energia elétrica em 2016, para abastecer as plantas Guarulhos e Nações Unidas. Regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pela Câmera Comercializadora de Energia Elétrica (CCEE), o mercado livre permite a compra de energia elétrica diretamente da geradora ou comercializadora, não sendo mais dependente da concessionária local. A medida proporcionou redução de 13% no custo de energia, com economia de R$ 2,1 milhões no ano. Sobre a taxa de intensidade energética, ou seja, a energia consumida na empresa, o Aché manteve o índice de 0,15 em 2014, 2015 e 2016, que considera somente a energia elétrica proveniente de concessionárias. Seu cálculo tem como base o Índice de Consumo de Energia (ICE), em kWh por unidade produzida. GRI G4-EN5

Em relação ao consumo total de água, conseguimos economizar 11% em 2016, caindo para 71.547 m3. GRI G4-EN8

Horta Lino Zanin, localizada na sede administrativa, em Guarulhos.

Empresa consciente

A Green Company, especializada em criar soluções para a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente, certificou o Aché com o título de Empresa com Consciência Ambiental na Destinação Adequada, por nossa iniciativa de dar o destino correto a 1.382 lâmpadas fluorescentes, que têm substâncias nocivas à natureza.

Consumo de energia dentro da organização (GJ)

GRI G4-EN3
201420152016
Consumo total de combustíveis13.492,1110.947,3711.532,77
Total de energia autogerada000
Total de energia vendida000
Consumo total de energia dentro da organização13.492,1110.947,3711.532,77

Total de água retirada por fonte (m3)

GRI G4-EN8
201420152016
Água de superfície (rios, lagos, áreas úmidas, oceanos)000
Água subterrânea54.81156.16955.823
Água de chuva coletada000
Efluentes de outra organização000
Concessionária/empresa de abastecimento26.45424.22115.724
Total81.26580.39071.547

Biodiversidade

Selo verde:
Aché é a primeira empresa do setor a ser reconhecida.

Com visão inovadora, o Aché iniciou pesquisas baseadas na biodiversidade brasileira nos anos 1980. Em 2005, lançou Acheflan, o primeiro fitomedicamento com pesquisa e desenvolvimento 100% nacionais, produzido a partir do extrato da Cordia verbenacea (erva-baleeira), encontrada na Mata Atlântica. Os estudos para o desenvolvimento de Acheflan levaram cerca de 15 anos e foram conduzidos em parceria com quatro importantes universidades do País: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Unifesp, PUC-Campinas e Unicamp.

Para o plantio de árvores nativas em áreas de reflorestamento e com a conscientização da sociedade sobre a importância da preservação ambiental para melhorar a saúde respiratória, o Aché mantém uma parceria com a associação SOS Mata Atlântica desde 2010, quando criou o projeto Sorine Inspiração Verde.

Recentemente, a companhia foi certificada no Programa Brasileiro GHG Protocol, concedido pela Faculdade Getulio Vargas (FGV), por conta da elaboração e da publicação de inventários de emissões de gases do efeito estufa (GEE).

Agricultura familiar: boas práticas

Uma das contribuições do Aché para o desenvolvimento sustentável é incentivar a agricultura familiar ao adotar boas práticas ambientais. Para extrair o extrato da passiflora, utilizada na produção do medicamento Sintocalmy (tratamento da ansiedade), os agricultores aplicam o método de cultivo orgânico – sem agrotóxicos ou adubos químicos, seguindo a norma ISO 22000, que garante a segurança alimentar na etapa de secagem. Adicionalmente, a água utilizada na produção do extrato é tratada e reutilizada na irrigação dos jardins e da horta orgânica. Esse processo de fabricação responsável da matéria-prima diminui os impactos ambientais e atinge positivamente as famílias envolvidas.